Verdades e mitos do câncer infantojuvenil, com Dr. Jairo Cartum

 04/10/2021


Imagem de 2016, em visita voluntária ao Hospital Mário Covas


O câncer na infância e na juventude tem peculiaridades quando comparado com outras faixas etárias, o que envolve fatos muitas vezes desconhecidos.

A conscientização sobre esta causa nunca é demais! Confira abaixo a entrevista com o Dr. Jairo Cartum, carinhosamente considerado padrinho do Big Riso. 

Dr. Jairo é professor responsável pela Oncologia Pediátrica da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), mestre e doutor em Medicina pela USP na especialidade de Oncologia Pediátrica. 

“Um grande tabu sobre o tema é ao receber o diagnóstico. As famílias acham que tudo acabou. Na década de 1970, por exemplo, isto era verdade: só 20% se curava. Hoje 80% das crianças são curadas por conta dos avanços da Medicina. O inverso das décadas anteriores! Os tratamentos também são mais efetivos para evitar o desconforto”.


Mitos e verdades: 

1) O câncer infanto-juvenil é silencioso e sem sintomas? MITO.

“Ele se manifesta como uma doença típica da infância, mas sem causa. É um sintoma que se mantém e piora. Qualquer sinal neste sentido precisa ser investigado (como em qualquer doença) e neste caso, em minoria, o diagnóstico é câncer. Por isto também são tão necessários os acompanhamentos de rotina com o pediatra”, comenta Dr. Jairo.

São sinais de atenção, desde que se mantenha e piore:

  • Dor abdominal ou em membros superiores/inferiores
  • Dor de cabeça
  • Febre
  • Manchas roxas pelo corpo
  • Sangramento
  • Anemia.
  • E/ou vômitos persistentes


2) A leucemia é o câncer infantojuvenil mais comum?
VERDADE.

“A leucemia corresponde a ⅓ dos tumores da infância e juventude. O segundo mais prevalente na infância é o tumor cerebral. E o terceiro é o linfoma. De três crianças com a doença, uma tem um dos três tipos”, diz Dr. Jairo.

O médico explica que a tríade da leucemia, câncer mais comum nos pequenos, é caracterizada por uma anemia - com sinais de cansaço e palidez, febre, além da apresentação de manchas roxas pelo corpo e sangramentos.

“Vale lembrar aqui que apesar de ser a doença mais comum, a taxa estimada de cura é de 80%”, finaliza.


3) O câncer nesta faixa etária é diferente e mais grave do que em adultos? VERDADE. 

“97% dos diagnósticos de câncer são para adultos, e apenas 3% para crianças. Enquanto 1 a cada 4 adultos desenvolverá câncer na vida (incidência bastante elevada), nas crianças este número é de 1 para 600. Em segundo lugar, o tipo é muito diferente, já que em criança o tumor cresce muito rápido e chega a duplicar de tamanho uma vez por mês”, comenta. 

Outro fator levantado pelo Dr. é que a taxa de cura e resposta das crianças ou jovens frente à doença é muito mais elevada. As células mais jovens se multiplicam muito mais rápido devido à etapa de vida, o que as tornam tão sensíveis ao tratamento e também à recuperação do paciente.


4) O câncer infantojuvenil está ligado sempre aos fatores hereditários? MITO. 

“Pouquíssimos cânceres infantojuvenis têm este caráter hereditário de passagem dos pais para filho - metade das vezes isto ocorre apenas com um câncer chamado retinoblastoma (câncer que surge na retina imatura). Aqui é muito importante diferenciarmos o genético do hereditário. Hereditário é o que passa de geração em geração e genético é uma doença no gene. Portanto, o câncer infantojuvenil é uma doença no gene. Por exemplo: quando temos um ferimento, a pele se multiplica até cicatrização. Já no câncer de pele (mais comum em adultos), a célula se multiplica e multiplica sem razão alguma: um erro de gene”, explica.

Em outras palavras, na criança, a alteração já vem de nascimento, porém no adulto há a exposição da célula ao fator ambiental agressivo e esta predisposição da célula é um gatilho para desenvolver o câncer. 


5) O câncer é contagioso? MITO.

“De forma alguma esta doença é contagiosa! Ter contato com alguém que está com câncer não é contagioso, infeccioso. Tudo isto é um fator genético. Em adulto, um gene com ‘qualidade inferior’ está geralmente associado a um fator ambiental, que pode ser desde uma radiação solar, a ingestão de álcool, um vírus (como no caso do HPV em carcinoma de colo de útero, mas é por isto que nem todo mundo que tiver contato com este vírus terá câncer de colo de útero, devido também à predisposição genética)”, pontua.


6) A criança e o jovem em tratamento quimioterápico não podem comer alimentos crus? VERDADE. 

"A principal causa de óbito em criança oncológica não é a doença em si. Como o tratamento é intensivo, a criança fica com baixa defesa e a infecção é a nossa preocupação neste sentido. Consequentemente, alimentos não cozidos, com casca (mesmo lavados), ou falta de higiene (como não lavar a mão), podem afetar a criança”, esclarece o médico.

O hábito de lavar a mão pode salvar vidas, conforme reforça.


7) Pacientes mais jovens em tratamentos quimioterápicos não podem ir à praia e à piscina? VERDADE.

“A gente sabe que a água é contaminada, a exposição ao Sol é um fator de agressão à criança também e tudo isso é pode aumentar o risco de infecção. Durante tratamento de quimioterapia é contraindicado”, diz.


Para finalizar, os esclarecimentos do Dr. Jairo Cartum são: 

“A vida da criança não pode parar neste meio tempo! Não confie no ‘Dr. Google’, só uma equipe de saúde pode aconselhar, pois para o ‘Dr. Google’ tudo é igual e coisas raríssimas são frequentes - o que cria ansiedade, angústia. Cada criança é diferente e portanto é importante não comparar a evolução desfavorável de uma criança com outra diagnosticada agora.”